Pular para o conteúdo principal

E que venha o replay!

No último dia 22 de outubro a escola em que estudo foi de excursão ao playcenter. Já tínhamos ido ano passado. Mas este ano foi diferente. Era noite do terror. Essa escola normalmente não faz esses tipos de excursão. Porque pra eles o certo são passeios educativos (o que inclui visitas a museus e tudo mais). O que pra nós jovens não é tão divertido quanto um parque de diversões claro. Talvez nem só pros jovens, com certeza alguns velhinhos de idade preferem um parque de diversões pra passar a tarde.
Então, continuando, vou contar tudo com detalhes. A saída da escola estava prevista pras 8h30 mas saímos de lá depois das 9h00. Porque ? Simplesmente porque alguns espertinhos tentaram levar bebida alcoólica na mochila. Eu vi que já tinha gente bêbada lá antes de sairmos da escola, tava uma comédia. Mas não estava certo rs. Saímos de lá no horário falado anteriormente e eu nem vi que horas chegamos. Mas foi suave. Nem pegamos trânsito. Chegando lá logo fomos ao cataclisma. Um brinquedo que nos proporciona emoções incríveis WKEOEKWKOEKWKEOWEKO (o que é normal para brinquedos de parque de diversões). Mais tarde teve um DJ tocando lá no palco. Dançamos demais. Logo após isso viria o show dos monstros, no qual eles apresentam a história deles. O que nos faz ficar com um pouquinho mais de medo. Fiquei achando que me assustaria horrores com eles mas nem tava dando medo. O que eles davam era susto. Tinha um que do nada aparecia por trás de você e fazia um barulho no seu ouvido, isso assustava! Outra que passava uma faca de mentira na gente e isso assustava. Mas eu acho que quem mais tava botando medo naquele parque lá era eu. Os monstros não estavam tão horripilantes como eu esperava. Tinha uns lá que até seduziam rs.
Quando estávamos indo embora, eu e minha amiga ficamos procurando o ônibus até que o diretor achou e o seguimos. Acho que gritei mais no ônibus do que no parque. Minha sala é muito zueira e claro quem não deixaríamos esse dia passar em branco. Causamos muita baderna no ônibus... E como diz o título do post, e que venha o replay! Tava avisado que teríamos replay mas até agora não vi nada disso... Será que teremos de ir por conta ? Aí é mais difícil do meu pai liberar a verba... rs

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…