Pular para o conteúdo principal

Em 2015 eu (quase) li... A mais pura verdade, de Dan Gemeinhart. (Resenha)

O porquê do quase? Então, eu recebi uma amostra do livro que será lançado dia 23 de março e que contém 6 capítulos apenas, logo não o li por inteiro mas espero lê-lo com certeza!
Livro: A mais pura verdade.
Autor: Dan Gemeinhart.
Editora: Novo Conceito.
Lançamento: 23 de março de 2015.
Quantidade de páginas da amostra: 95.
Começaremos pela diagramação do livro: a disposição das palavras tanto na capa quanto na contra capa são exóticas assim como a divisão dos capítulos, pois além dos títulos deles existem os subtítulos como vou mostrar nas figuras abaixo:
Capa - Atentem-se disposição do nome do livro e do nome do autor
Contra-capa+ Capa - Prestem atenção na apresentação da sinopse diferente e bonita

Subtítulo, no caso do capítulo 3 é o 3 e meio *-*
E dando continuidade, agora é a hora do conteúdo da narrativa: Desde o início é o mistério que paira pela história já que é caracterizada por um garoto de uns 12 anos de idade (se não me engano) que resolve fugir da sua casa. O mistério está no motivo da fuga: será que ele tinha problemas com os pais dele? Será que ele tinha algum problema a ser resolvido de forma solitária no mundo? Será que nessa idade ele já queria tornar-se uma pessoa independente e totalmente dona de seus atos? Ninguém consegue responder essas questões até chegar em um capítulo, do qual não recordo o número, mas que está entre os 6 primeiros, no qual ele relata sua tristeza perante a doença que tende a consumi-lo cada vez mais e que o faz fugir de sua própria casa. A doença não será revelada aqui e nem o destino dele nesta longa e inusitada viagem, pois para isso será necessário ler o livro que está prestes a sair e ficaremos assim, no aguardo e ansiosos. Eu também não sei os mínimos detalhes, mas estou ansiosa para sabê-los e contar aqui no Suave Pensamento.
Lembrando que falei dos capítulos e subcapítulos ou títulos e subtítulos: os capítulos relatam a história pelos olhos do protagonista e os subcapítulos relatam os sentimentos de quem ficou em casa (mãe, pai e sua melhor amiga) que não sabem o porquê da fuga do protagonista e nem seu paradeiro.
 Espero que minhas impressões sobre o livro te despertem a vontade em lê-lo assim como eu quero!
Beijocas e Paçocas :*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…