Pular para o conteúdo principal

Ano novo, crise passada

Eu estou num momento muito louco da minha vida, oh que novidade, sim é novidade, porque esse momento é louco, mas não é como os outros. É um momento louco e diferente. É um momento no qual coloco em questão tudo o que sou, tudo o que sinto, tudo o que tenho e tudo o que quero ter para a minha vida. Sempre costumei fazer isso, mas agora é ainda mais frequente.

Talvez agora seja a verdadeira maturidade batendo em minha porta. Talvez seja a verdadeira e autêntica crise dos 20 anos que na verdade estou tendo com quase 21. Me sinto só, mas sei que não sou a única a passar por isso. Isso, passar, porque assim como todas as outras, eu sei que essa é só mais das mil e uma fases da minha vida, e é passageira. Não sei quanto tempo vai durar, mas sei que tem limite de duração.

Estou em uma verdadeira crise, mas já estive pior. Hoje sei lidar com ela e mantê-la em harmonia com o meu bem-estar e meu verdadeiro eu. Essa pode ser a pior forma de amadurecimento, mas foi a ideal pra mim. Eu sofri e ainda sofro, mas estou saindo mais confiante. Vai por mim, passar por uma crise não é tão ruim assim. Nesse exato momento estou pensando: o que vou fazer amanhã? Será que existe alguma forma de ser mais feliz do que essa? Ser feliz é isso ou é algo mais? Me sinto feliz, mas sei que essa felicidade pode e deve ser aumentada cada dia mais por mim e por mais ninguém.

Muitos podem achar que isso é coisa de maluco e talvez eu seja um pouco, mas não há como negar o que faz parte da minha essência. Questionar é e sempre foi parte de mim, sinto muito, mas nasci pra filosofar. Costumo sofrer com isso, já que dessa forma não consigo entender e aceitar certas realidades. Até me entender, nesse ano, foi difícil. Faz parte. O ponto positivo é poder ajudar pessoas, pois por meio do questionamento surgem as respostas que muitos procuram, mas que poucos tem coragem de perguntar. E eu faço esse papel, de questionar e questionar e assim entender as coisas de uma outra forma e ajudar aquele que ainda não entendeu.
Fonte da imagem
Chegando próximo ao reveillón descobri que 2015 não foi um tempo de crise apenas para o país, mas para mim principalmente. Descobri que se não passasse por essa crise eu não me reencontraria tão bem como ando me encontrando. Percebi que crises são necessárias para que haja progresso, eu estava precisando, assim como o Brasil está. A diferença é que eu estou fazendo algo para mudar, mas já não posso dizer o mesmo pela nossa nação. Eu entrei na crise, senti-me mal nela, busquei formas de sair e voltar ao normal. E voltei, ainda estou voltando, até melhor do que era. Pelo jeito, o objetivo está sendo cumprido. Agora, o Brasil, ainda estou aguardando a sua volta por cima.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…