Pular para o conteúdo principal

Desculpa aí, eu só estou um pouco perdida sabe...

Desculpa aí eu só estou um pouco perdida sabe. Sei que você não tem culpa e nem eu mesma tenho, são coisas da vida e um dia isso será passado. Eu acredito. É que como diz o clichê "para nos encontrar é preciso nos perder primeiro". Claro que eu queria me encontrar sem me perder, mas comigo foi essa frase que veio a calhar. Eu me perdi, me perdi de mim mesma. Fiquei sem saber de onde vim  e nem para onde ia. O que eu quero eu sempre soube, ser feliz, amar, ter amigos, pessoas verdadeiras ao meu redor. O que acontece é que tudo isso se perdeu em meio a minha própria confusão.

As vezes você me vê cabisbaixa ou coisa assim e não entende o porquê. É que é tarefa difícil viver quando o que mais se tem na mente e no coração é o caos. É difícil sorrir quando o coração pede para que os olhos lacrimejem. É difícil manter a calma quando a mente não está em paz. E claro, eu sou assim, transparente, sincera, verdadeira e todos os outros adjetivos que se encaixam na arte do "transparecer o que se é por dentro num simples olhar ou até numa falta dele".

Hoje eu acordei e relembrei de todo o trajeto que para mim denominei como um trajeto de volta. Volta ao que eu sou de verdade, volta ao que faz sentido para mim e cara, como é gostoso ver que aos poucos este momento está chegando e que olhar para trás só me fará sorrir. Sim, vou sorrir por olhar esse caminho imenso de dores, mas que resulta numa verdadeira felicidade, num verdadeiro sentido de viver.  

Por vezes me senti culpada por ter um caos dentro de mim, é que eu não via nada de positivo nele até vê-lo ficando para trás. Tem aquela máxima que diz que "é preciso dar o tempo ao tempo para que as coisas façam sentido" e é realmente isso que dá sentido a crise, dar tempo ao tempo. E não digo ficar parada, sentada no sofá esperando a bendita da crise ir embora, digo de dar tempo ao  tempo utilizando-se dele para se resolver. E foi mais ou menos assim que fiz e só assim que a culpa resolveu ir embora: me resolvendo.

Desculpa aí eu só estou um pouco perdida sabe, ou melhor, eu já estou me encontrando.
Fonte da imagem

Comentários

  1. Que texto lindo ♥
    Eu sei bem coo é ter que conviver com essa bagunça interna, é angustiante. Tô passando pela mesma fase e no seu texto li uma coisa importante que eu havia esquecido.
    Espero que a gente fique bem logo.
    Bjs ♥

    www.ultimobiscoito.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é ruim né, mas o bom é que ela é passageira *-*
      Eu também espero,beijao

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…