Pular para o conteúdo principal

Você já ouviu falar de Roda da Vida?

Será que, assim como eu, você é/era daquelas pessoas que nunca havia ouvido falar em roda da vida? E que não imaginava nem um pouco o tamanho da importância que essa coisinha tem para o equilíbrio de todas as áreas de nossas vidas? Então, agora é o momento de conhecer! Vou mostrar pra vocês um instrumento usado por psicólogos que em determinada época da minha vida me ajudou muito a reestabelecer o equilíbrio, para assim, ser mais feliz. Se ainda não entendeu, fica calmo, eu vou explicar...

A roda da vida é um tipo de gráfico que nos permite enxergar claramente o quanto estamos dedicando de nosso tempo em cada área dela. E o quanto também estamos satisfeitos com cada uma. E para saber isso é preciso que nós preenchamos cada área de nossa vida de acordo com o tamanho de nossa dedicação e satisfação a ela, e não vale mentir hein! rs. Com a roda da vida é possível, por exemplo, ver se estamos exagerando muito na dedicação em nosso trabalho e ver também se está satisfeito com o que escolheu, pois o ser humano não nasceu só para trabalhar não e muito menos para ficar eternamente em um trabalho que não o satisfaz.

Nós seres humanos precisamos estar atentos a todas as áreas das nossas vidas e elas incluem, além do trabalho, o lazer, os amigos, a alimentação, a vida espiritual e por aí vai... Às vezes não percebemos e acabamos por focar nossa vida 100% no trabalho e isso a longo prazo faz um mal danado. Ficamos com a mente cansada, o corpo nem responde mais e aí as consequências podem ser desastrosas. Então, nada mais inteligente do que se dedicar mais em outras áreas antes de adoecer. Além disso, as vezes por estabilidade financeira, ficamos em um trabalho ao qual nem estamos satisfeitos e a roda da vida nos faz refletir se vale a pena jogar a nossa saúde e bem estar fora apenas para ter boas condições financeiras. O melhor mesmo é conseguir unir os dois, não é mesmo?

Aqui vou colocar uma foto da roda da vida e você pode começar HOJE a preenchê-la, indicando o quanto está se dedicando em cada área e o quão satisfeito está em cada uma delas. E a partir disso, começar a fazer as modificações. Fácil não vai ser porque mudanças equivalem à renúncias, mas os resultados podem ser maravilhosos. Por exemplo, se estou me dedicando em uma escala de 0 a 10, 8 no trabalho, por que não pesquisar algo hoje para incluir em minha área de lazer? Ooou, se estou com uma nota 4 de satisfação no trabalho, por que não começar hoje a pesquisar e se planejar para a mudança que tanto sonho em minha vida profissional? E assim por diante. Bora lá? 
Fonte da imagem



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…