Pular para o conteúdo principal

Em 2017 eu li... Ecos do Silêncio

Oi genteeee, tudo bem? Esse é o primeiro post do ano e eu já vou falar sobre um livro que amei. Pensem em um livro mágico, é esse *-* Em 2016 eu já havia lido ele, mas esse ano foi diferente, pois eu estou diferente, então eu consegui absorvê-lo melhor...

O livro Ecos do Silêncio é da editora Canção Nova e foi escrito por José Augusto Nasser. Ele conta com 119 páginas de pura lição de vida, pois ilustra a história de Anita Becker, uma jovem enfermeira que não conhecia o valor de seus próprios dons até colocá-los em prática. Anita trabalha em um hospital cujos pacientes não são vistos com o olhar de amor e misericórdia de que precisam. Em determinados momentos de seus tratamentos sentiam-se como que abandonados no mundo, esquecidos pela família e pela sociedade.

Anita se choca ao deparar-se, já em seu primeiro dia de trabalho, com uma morte repentina de um dos pacientes. A indiferença tomava conta do lugar que seria o seu local de trabalho pelos próximos anos. A morte desse paciente poderia ter sido evitada, se a indiferença não tomasse conta dos que ouviram seus últimos gemidos. Anita é então tomada por um profundo sentimento de indignação que a levaria a fazer muitas coisas que não eram feitas há muito tempo naquele hospital.

Depois daquele momento a jovem enfermeira conhece o "Sr. Bigode", um homem cuja sabedoria era imensa, o que encantava Anita toda vez que se conversavam. Sr. Bigode era um dos pacientes do hospital e já estava acostumado com a indiferença dos profissionais dali. Viveu muito tempo na rua, então sua sabedoria tinha sua origem marcada. Após se conhecerem Sr. Bigode passa a falar sobre dons e talentos para Anita. Para ele o seu dom era o da oratória, que o permitia contar histórias de uma forma envolvente, como ninguém contara antes.  Além disso ele dizia que todos nascemos com dons que nos são apresentados desde a infância, mas que as vezes, por ironias da vida, não eram usados, pelo contrário, eram esquecidos e deixados de lado, o que fazia grande falta no mundo.

Anita então se comove e passa a refletir sobre os dons que deixara para trás. Ela lembra que quando criança acompanhava sua tia artesã nos trabalhos que fazia e não concordava com as cores que ela usava, pois Anita era uma artista, e como o próprio livro diz, ela via o que ninguém via. Então depois dessa lembrança decidiu restaurar a imagem de uma santa que havia no hospital, já imaginava as cores que usaria em todas as partes. E assim o fez. No momento de restauração da imagem ela foi tendo um contato com o interior dela que precisava ser restaurado. Memórias boas e ruins passavam pela sua mente enquanto pintava. E então ela ia se curando de todos os seus traumas e dores. E nada disso aconteceria se ela não se colocasse em contato com os dons que Deus havia lhe dado de presente. O Sr. Bigode sempre a dizia que os dons de cada um é que transformam o mundo e o fazem melhor, o mundo precisa do dom que cada um tem!
Além de Anita e Sr. Bigode o livro conta com outros personagens que ilustram de forma incrível essa linda história de amor e cura. A principal mensagem que ele passa é que nós podemos ser curados e curar através do uso de nossos dons. A enfermeira Anita fez uma enorme diferença naquele hospital abandonado pelo caos e pelo desamor quando passou a usar os seus dons para  restaurar a imagem e ajudar os pacientes.

Ecos do Silêncio fala exatamente disso, da cura interior, da restauração que acontece exatamente quando há o silenciamento interior para a escuta daquilo que vem de dentro e se transporta para fora em forma de dons e talentos. Além disso fala sobre amor, perdão e auto conhecimento. E também nos leva a refletir se estamos usando ou não os dons que recebemos de graça quando nascemos, pois são eles que nos curam e nos fazem diferentes no mundo.
Você está usando os seus dons? O que está esperando? O mundo precisa deles e você também!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Hoje é tempo de regar

Hoje é tempo de regar. Hoje é tempo de cultivar aquilo que quero viver. Hoje é tempo de amar. Hoje é tempo de fazer o que eu ainda não fiz e manter aquilo que de bom já fiz. Hoje é tempo de agradecer mais em vez de reclamar. Hoje é tempo de escolher qual é o tipo de vida que eu quero viver. Hoje é tempo de ser quem eu sempre quis ser. Hoje é tempo de agir. Hoje é tempo de pensar, mas é tempo de respirar também. Hoje é tempo de relaxar, apenas trabalhar também não dá. Porque um dia, ah, um dia, todos iremos colher...

Hoje é tempo de investir. Hoje é tempo de brilhar. Hoje é tempo de reavaliar. Hoje é o tempo perfeito para olhar mais para o meu jardim. Hoje é tempo de escolher as sementes que quero plantar. Hoje é tempo de me conhecer. Hoje é o dia perfeito para regar em vez, novamente, de reclamar. Hoje é tempo de olhar com mais carinho para aqueles que quero por perto. Hoje é tempo de perdoar. Hoje é tempo de pedir perdão. Hoje é tempo de se priorizar. Hoje é tempo de plantar. Hoje é…

Carta ao meu antigo eu sobre o que é o amor...

Estive olhando algumas postagens antigas nas quais eu me perguntava e me questionava acerca de tudo e todos. Sempre fui assim e essa me parece ser uma característica eterna minha, sou curiosa e até vejo isso como algo positivo, porque somente a curiosidade me levou às respostas que tanto procurei... E em um dos meus grandes questionamentos de quando era mais nova era "o que era o amor?". Como leiga no assunto, naquela época, eu não sabia definir nada, muito menos o que era o amor. Eu sentia, admirava certas coisas, mas amar, eu não sabia, em palavras o que era. E é possível ver essa curiosidade sobre esse assunto com certa imaturidade nesse postagem aqui.

Então, relembrando minhas postagens antigas, um tanto quanto imaturas, eu decidi responder esse questionamento ao meu "eu" antigo. Decidi falar, por meio de palavras escritas e com um pouco mais de experiência agora, o que é o amor e o que é amar. Talvez tenha alguma menina ou menino tão curiosos e jovens quanto e…