Pular para o conteúdo principal

Carta para quem não entende quem somos, na real

Eu tinha tanto o que falar, mas não conseguia. Eu tinha tanto que me expressar, mas as palavras não saiam. Me desculpem, eu tinha medo. Tinha receio de falar tudo o que estava guardado no meu peito. Mas eu só queria dizer que os amava, como ninguém. E que acreditassem nisso. E mais, queria dizer que tentei ser tudo aquilo que um dia quiseram que eu fosse. Mas também queria pedir desculpas, porque não consegui. Eu os amava tanto que queria ser não aquilo que eu era de verdade, mas sim o que eles queriam que eu fosse. Por um momento consegui, mas logo essa tentativa falhou. Porque a nossa alma pede que tracemos nosso próprio caminho, façamos aquilo com que nos identificamos. Que sejamos nós mesmos. E é isso que a minha alma pediu naquele momento.

Não deu para fugir. A minha alma gritou. E eu tive que atender. Me sinto de certa forma culpada por isso, mas havia outra solução? Qual é a solução para seguir aquilo que o seu coração quer sem que isso magoe ninguém? Como é fazer aquilo que você mais quer na vida que não é aquilo que tanto queriam para ti? A vida pede uma decisão e dói na gente saber que essa decisão pode ferir quem mais amamos. Talvez esse tenha sido o meu maior dilema, ser eu mesma e ir contra tudo e todos ou ser apenas um robô programado para satisfazer as vontades alheias.

A minh'alma pedia mais. E ela sempre pede, é incrível. E eu quero continuar seguindo e ouvindo-a, mas juro que não quero mais carregar a culpa de não ter sido a pessoa que vocês queriam que eu fosse. Eu tentei, juro. Mas não consegui. Por um tempo me senti um erro no mundo, por ter tantas vontades e desejos contrários aos de vocês. Me senti errada por ter sentimentos e sensações que não correspondiam ao que esperavam de mim. Me senti um erro. Mas agora chegou a vez de me sentir como um acerto. Eu sou um acerto que mesmo que não tenha superado certas expectativas tentou. E tentar é acertar. Porque quem pelo menos tenta já acerta. Pior daquele que joga tudo para o ar sem ter ao menos tentado. Eu tentei, mas eu falhei. E mesmo tendo falhado no fim eu acertei por ter tentado.

E é isso que quero carregar comigo. Eu tentei ser aquela que queriam. Eu tentei ser um protótipo de mim mesma. Mas isso é muito pouco perto do que quero e do que posso ser de verdade. Isso é muito pequeno perto do que sou em essência. Me desculpem. Eu os amo demais. Nunca quis ser uma decepção para vocês, mesmo tendo me sentido assim por tanto tempo. Quero ter o gosto de me sentir como um acerto na vida de uma vez por todas. Quero me sentir como alguém que deixou algo de bom por aqui e juro, eu só vou conseguir isso sendo eu mesma.
Fonte da imagem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Nunca deixe que lhe roubem a sua essência!

Você é do tipo brincalhão ou quieto? Você é do tipo introvertido ou extrovertido? Você é do tipo colorido ou preto e branco? Você é do tipo que sonha muito ou não? Você é o que? Ultimamente ando refletindo bastante sobre isso. Sobre ser o que você é e sobre ser o que os outros querem que você seja. Eis aí um perigo! A minha personalidade é única e a sua também e não podemos deixar que nada nem ninguém nos roube isso ok? E eu vejo isso que acontece bastante, o roubo da essência, estranho né? Nem tanto...

Todos nós nascemos de um jeito e somos únicos. Desde pequenos temos dons e um jeito de olhar as coisas que é só nosso. Ao longo da vida cruzamos com pessoas diferentes de nós que muitas vezes não compreendem nosso jeito único de ser e se acham no direito de criticar/julgar a nossa personalidade. Um exemplo é o de pessoas introvertidas que sempre ouvem "nossa você está falando muito hein" ou "fulando não cala a boca" (em tom de ironia sabe), mas que infelizmente nunc…