Pular para o conteúdo principal

Ah se tudo fosse menos complicado.

Na verdade as coisas não são complicadas, é o ser humano que complica e bota a culpa nelas. É, a vida não é tão difícil quanto parece, são as pessoas que fazem dela uma coisa muito difícil de viver. A sua vida não está uma merda, o que está uma merda é tudo o que acontece, ou seja : tudo o que as pessoas estão fazendo com você são uma merda. Se você se sente assim tudo bem, o problema é fazer disso um impecilho para viver, um obstáculo para mostrar quem você realmente é.
To escrevendo isso baseada nos fatos que acontecem comigo e com as pessoas que me rodeiam. Eu fico pensando em como o mundo poderia ser bem melhor. As pessoas poderiam ser mais compreensivas, poderiam ser menos egoístas e esnobes (como odeio gente esnobe, tenta ser humilde e simples uma vez na vida por favor ? argh!), poderiam dar mais valor a quem realmente as ama. E eu fico nessa: o que eu fiz de errado pra tal pessoa me tratar desse jeito? No que eu falhei ? Será que o que fiz pesou tanto na maneira com que me tratava. Parece-me que sim. Um simples bom dia não é olhado como um bom dia. Um simples bom dia poderia ser respondido reciprocamente, mas as pessoas insitem em ser mesquinhas, irritantes e esnobes de manhã.
Fico pensando no que poderia fazer para ter aquela pessoa de volta. Puxa vida! Eu só queria te ter como amigo, não quero nada além disso. E isso parece ser tão idiota pra você. Na verdade eu sou idiota pra você. Mas você é bem mais pra mim. Sim, um idiota que vive a vida preso nas coisas do passado e que não sabe aproveitar os momentos maravilhosos que a vida o proporciona(ora únicos, ora os últimos). Será que é tão difícil assim ter uma amiga chamada Caroline Guccione na sua vida ? Puotz, se tudo fosse tão difícil dessa maneira a vida seria mais fácil.
E eu fico aqui, nessa anciedade, nesse desespero, e a pessoa tá lá, nem sabe quem sou eu numa hora dessas, mas será que lembra o que eu fiz por ele ? Nem sei...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…