Pular para o conteúdo principal

Falando em teatro. Momento cultura *-*

Ontem (18.05.2010) fui junto com a escola assistir a peça: "O auto da barca do Inferno". É um dos clássicos da literatura portuguesa. Foi um livro escrito por Gil Vicente de encomenda. Ele não esperava tanto sucesso. Até hoje é lembrado e estudado nas escolas brasileiras e do resto do mundo.
Agora o livro conta com encenações como essa que presenciei ontem. Na qual os atores trabalharam três meses em cima da peça. Lendo, refletindo e entendendo a obra. Para depois criar o cenário, as peças de roupas, encaixar as falas nas horas certas e tudo mais. Quem já leu o livro percebeu que as falas da peça são quase iguais a da obra. A obra foi representada no palco de maneira cômica, fugindo um pouco da disciplina que a literatura nos impõe. Foi encenada pelo grupo de teatro Trapiche no Teatro Mauá. Além de "O auto da barca do inferno" eles representam muitas outras obras da literatura como "O cortiço" e "Capitães de Areia". E para quem quiser mais informações o grupo conta com um site e uma comunidade no orkut (que chic rs). Onde é possível achar os atores e tirar dúvidas.
Eu simplesmente amei, tenho certeza de que você não terá uma opinião diferente da minha depois de assistir ao espetáculo.

Site
Comunidade

Beijocas e Paçocas :*

Comentários

  1. Eu lembro dessa época do tempo da escola! Parece ser ótima a peça!
    Então, eu modifiquei meu blog, que agora voltou a ser "Simple Thing"... Da uma passadinha lá.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Ahh o melhorr da peçaa eh o anjo *-* Meuu deu ki anjoo

    ResponderExcluir
  3. Responsabilidades, Dúvidas, Problemas, Desilusões amorosas, Falsidades e turbilhões de sentimentos circulam por você. Em só dia você pode sentir alegria, tristeza, angústia e raiva. Socorro, você CrEsCeu! Mas calma você não está sozinha nessa. Que tal nos fazer uma visita? http://www.socorroeucresci.com/ Já estamos seguindo o seu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…