Pular para o conteúdo principal

A falta, o hoje e o passado.

Eu sinto falta das coisas que antigamente me faziam rir e hoje já não me fazem mais. Sinto falta daquilo que eu já senti e hoje já não sinto mais. Sinto falta daquilo que eu ouvia e hoje já nem ouço mais. Sinto falta do que eu sentia falta e hoje nem me falta faz. Sinto falta do que me trazia paz e hoje não me traz mais. Sinto falta do que eu tinha e hoje já não tenho mais. Sinto falta da criança que eu fui e que tive que deixar pra trás. Sinto falta de coisas que vivi e tiveram que ficar pra trás. Sinto falta do que eu sonhava e hoje já não sonho mais. Sinto falta do que eu tocava e já não toco mais. Sinto falta daquela rotina que hoje já não existe mais. Sinto falta daquela bagunça que resolvi deixar lá atrás. Sinto falta dos abraços que já não me abraçam mais. Sinto falta dos conselhos que já usei demais.

Sinto falta do gosto, sinto falta do cheiro, sinto falta da falta, falta da presença e da ausência. Sou um misto da falta do que não presencio mais.
Será que alguém já sentiu isso? É algo que não consigo explicar. Sei que deixei pra trás, mas insisto em relembrar. E aquele misto de sentimentos vem como um vendaval, me tiram do chão e me fazem retornar a tudo aquilo que no passado está. Sei que não é saudável, mas é impossível controlar. Será que sou a única a isso executar?
Por vezes me sinto só e a única a relembrar, das coisas que vivi e das que deixei de falar. Das coisas que senti e que me fizeram mudar. Das coisas que eu ri ou me fizeram gargalhar. O que eu queria era ouvir de alguém: "calma, isso é normal, eu sempre passei por isso. Às vezes lembro e me entristeço, às vezes lembro e acabo deixando pra lá, o passado é o passado e sempre vamos nos lembrar".

Comentários

  1. Não,você não é a única.Todos nós passamos por momentos inesquecíveis que são cravados em nossos corações,como estamos em constante mudança,também para nos ajudar a crescer e evoluir cada vez mais,deixamos esses momentos para trás,nos faz falta mais é um jeito de ver que isso nos fez bem.
    Amei o texto *-*
    Bjnhs

    http://karoline-depois-das-letras.blogspot.com.br/2015/06/somos-meros-mortais.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu estou conseguindo agora deixar para trás. Tudo isso de se agarrar às coisas passadas só me fazia sofrer :/ Beijocas

      Excluir
  2. Ah também sinto falta de tanta coisa do passado.. momentos que gostaria de retornar e vivenciar só mais uma vez <3
    Lindo texto!
    Um beijo

    Dicas para Todas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, só mais uma vez.
      Obrigada flor, beijocas!

      Excluir
  3. E quem não sente saudades? As vezes sinto falta de coisas que nem deveria lembrar mais.
    Lindo o texto Carol!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, exatamente. Coisas que não devemos lembrar mais e insistimos em lembrar...
      Obrigada flor, beijocas

      Excluir
  4. Nossa que lindo amei esse texto <3 <3 maravilhoso!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Nunca deixe que lhe roubem a sua essência!

Você é do tipo brincalhão ou quieto? Você é do tipo introvertido ou extrovertido? Você é do tipo colorido ou preto e branco? Você é do tipo que sonha muito ou não? Você é o que? Ultimamente ando refletindo bastante sobre isso. Sobre ser o que você é e sobre ser o que os outros querem que você seja. Eis aí um perigo! A minha personalidade é única e a sua também e não podemos deixar que nada nem ninguém nos roube isso ok? E eu vejo isso que acontece bastante, o roubo da essência, estranho né? Nem tanto...

Todos nós nascemos de um jeito e somos únicos. Desde pequenos temos dons e um jeito de olhar as coisas que é só nosso. Ao longo da vida cruzamos com pessoas diferentes de nós que muitas vezes não compreendem nosso jeito único de ser e se acham no direito de criticar/julgar a nossa personalidade. Um exemplo é o de pessoas introvertidas que sempre ouvem "nossa você está falando muito hein" ou "fulando não cala a boca" (em tom de ironia sabe), mas que infelizmente nunc…