Pular para o conteúdo principal

As alegrias e as dores de ser uma escritora

Quando pequena eu já me sentia diferente. Eu amava ler e escrever. Quando a bibliotecária entrava na sala do prézinho com aquela caixa cheia de livros eu me perdia escolhendo qual levaria para a casa. Aqueles cadernos de caligrafia? Eu me divertia completando... Estranho não? Não para uma criança que nasceu com vontade de descrever o mundo de uma forma diferente. Nada estranho para quem já tinha um olhar diferente sobre o mundo e precisava expressar isso de alguma forma. E a forma encontrada foi: escrevendo. Para quem não tem o hábito nem o dom escrever chega a ser um "porre", uma grande perda do tempo que há para viver. No meu caso escrever é um grande ganho de tempo, eu ganho tempo de conhecimento e até de entretenimento. Escrever para mim é diversão. Escrever virou um refúgio há muito tempo atrás. Eu já não conseguia dizer o que sentia e na escrita achei uma fuga. Era incrível como eu me entendia quando lia um texto que produzira. Estava tudo ali. A minha alma estava naquele texto. Tudo o que era subjetivo se transformava em matéria, era o fenômeno da subjetividade apresentada em letras, palavras, expressões, era eu em um texto. E com o tempo isso se intensificava...
Por que escrever era tão mágico? Por que em palavras eu me expressava tão bem? A resposta eu não sei, é simplesmente isso: em um texto eu me transporto para o fundo do meu ser e me apresento para quem quiser ver.

A verdadeira alegria de ser uma escritora (se é que assim posso me denominar) é poder me expressar e encontrar pessoas que se identificam com o que escrevo, encontrar pessoas que sentem o que eu senti quando escrevi ou pelo menos uma pequena porcentagem do que senti naquele momento. A maior alegria é chegar até as pessoas. Antigamente eu escrevia só pra mim, sempre com o meu caderninho e pronto. Agora eu escrevo pra mim e pro mundo. A má notícia é que ser uma escritora também traz suas dores e a maior delas é, talvez, a solidão. Quem escreve se isola um pouco do mundo, a pessoa precisa de paz e silêncio para se jogar ali nas folhas de papel, ela precisa estar sozinha para se expressar em palavras e derreter suas ideias. Sim, a solidão nos acompanha. Mas é graças à ela que me expresso verdadeiramente e assim deixo de me isolar para ir até vocês. É controverso e é verdadeiro, depois da solidão para escrever vem a companhia dos que leêm.

Encontrar pessoas que se identificam com o que escrevo é encontrar companhias verdadeiras de vida. Companhias que entendem e se encontram no que ali está escrito. Companhias que até amizade podem virar, porque verdadeiros amigos são esses que entendem a alma de quem fala. Escrever traz suas alegrias e também suas dores e quem escreve tem que saber lidar com os dois extremos. No início pode ser difícil, mas com o tempo lidar com isso se torna natural...

Comentários

  1. Ei, Carol! Me identifiquei com seu texto! Sou péssima em ficar falando, mas me de uma caneta e um papel que eu saio de orbita. Escrever é muito amor <3 Parabéns pelo blog! Bj, Bruna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que se identificou. Apareça mais vezes, beijocas!

      Excluir
  2. Me sentia assim na adolescência.
    O munfo era eu e minhas escritas...amava, mas de certa forma me isolava.

    Bjim...
    blog Usei Hoje

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ainda hoje me isolo um pouco senão o texto não sai... Beijocas!

      Excluir
  3. parecia que eu estava a ler sobre mim rsrsr super me identifico com o seu texto, posso nao ser boa a falar sobre os meus sentimentos, mas sempre entrego tudo em uma folha .

    Com carinho, Hina | Aishiteru em Contos | MelanCria Html |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah é muito bom ler comentários como esse para ver que meus objetivos com o blog estão sendo alcançados. Trazer o leitor pra perto, fazê-lo sentir-se em casa é ótimo.
      Sou exatamente assim, meu caderno é meu maior ouvinte.
      Beijocas!

      Excluir
  4. Me identifiquei muito com suas palavras.
    Quando era pequena não sabia como me expressar,as palavras que saiam da minha boca pareciam não bastar,até que depois de uma certa idade descobri como libertar minha palavras trancafiadas:pela escrita.
    Quando eu olho aquela folha em branco coloco minha vida inteira convertida a uma história.
    É realmente ótimo ficar horas e hora escrevendo e achar uma pessoa que se identifique.
    Bjnhs

    http://karoline-o-meu-melhor.blogspot.com.br/2015/07/pedra-e-flor.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente como aconteceu comigo.
      Sim, é maravilhoso e hoje em dia no mundo dos blogs é melhor ainda, pois podemos encontrar pessoas como você que se identificam com essa ideia do "dom de escrever".
      Beijocas!

      Excluir
  5. Muito bom o seu texto Carol e acredito que a maioria das meninas já passou por essas coisas também.
    A única coisa que posso dizer é que escrever me salvou de quem eu não gostaria de ser.
    Beijos linda
    ♥ Te Conto Poesia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio flor, que bom que gostou! Exatamente, linda sua frase!
      Beijocas!

      Excluir
  6. Amei seu texto! Me identifiquei muuuuuito! Sempre ficava na maior expectativa para ir na biblioteca da escola pegar livros e não sabia qual levar pra casa... As aulas de redação, então... Sempre minhas preferidas! E criar o blog e escrever para o mundo, sinceramente, me resgatou do "fundo do poço"... foi meu refúgio num momento muito dificil da vida e sou muito grata por isso! E é por isso também que hoje escrevo: para salvar as outras pessoas! Amei seu blog, de verdade, já curti a fanpage para não perder nada! Ah, e obrigada por esse texto que me descreveu tão bem! www.vendoalemdoespelho.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eryen, muito obrigada pelo carinho, fiquei muito feliz lendo seu comentário, consegui eu me identificar com você lendo o seu comentário. Também voltei com o blog numa fase que estava sendo difícil para mim...
      Beijocas

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Hoje é tempo de regar

Hoje é tempo de regar. Hoje é tempo de cultivar aquilo que quero viver. Hoje é tempo de amar. Hoje é tempo de fazer o que eu ainda não fiz e manter aquilo que de bom já fiz. Hoje é tempo de agradecer mais em vez de reclamar. Hoje é tempo de escolher qual é o tipo de vida que eu quero viver. Hoje é tempo de ser quem eu sempre quis ser. Hoje é tempo de agir. Hoje é tempo de pensar, mas é tempo de respirar também. Hoje é tempo de relaxar, apenas trabalhar também não dá. Porque um dia, ah, um dia, todos iremos colher...

Hoje é tempo de investir. Hoje é tempo de brilhar. Hoje é tempo de reavaliar. Hoje é o tempo perfeito para olhar mais para o meu jardim. Hoje é tempo de escolher as sementes que quero plantar. Hoje é tempo de me conhecer. Hoje é o dia perfeito para regar em vez, novamente, de reclamar. Hoje é tempo de olhar com mais carinho para aqueles que quero por perto. Hoje é tempo de perdoar. Hoje é tempo de pedir perdão. Hoje é tempo de se priorizar. Hoje é tempo de plantar. Hoje é…

Carta ao meu antigo eu sobre o que é o amor...

Estive olhando algumas postagens antigas nas quais eu me perguntava e me questionava acerca de tudo e todos. Sempre fui assim e essa me parece ser uma característica eterna minha, sou curiosa e até vejo isso como algo positivo, porque somente a curiosidade me levou às respostas que tanto procurei... E em um dos meus grandes questionamentos de quando era mais nova era "o que era o amor?". Como leiga no assunto, naquela época, eu não sabia definir nada, muito menos o que era o amor. Eu sentia, admirava certas coisas, mas amar, eu não sabia, em palavras o que era. E é possível ver essa curiosidade sobre esse assunto com certa imaturidade nesse postagem aqui.

Então, relembrando minhas postagens antigas, um tanto quanto imaturas, eu decidi responder esse questionamento ao meu "eu" antigo. Decidi falar, por meio de palavras escritas e com um pouco mais de experiência agora, o que é o amor e o que é amar. Talvez tenha alguma menina ou menino tão curiosos e jovens quanto e…