Pular para o conteúdo principal

Ou abraçamos a realidade ou somos engolidos por ela

Houve um tempo no qual eu idealizei a vida. Para mim, todos os casais deveriam acordar e ir dormir sorrindo, todas as pessoas ao se cruzarem, na rua ou em qualquer lugar, deveriam se cumprimentar com um largo sorriso no rosto, aquele fast-food me parecia um parque de diversões, eu e meus amigos permaneceríamos juntos até o fim e todos os meus futuros amigos lutariam pela união como eu sempre lutei. Que pena que não foi assim...
A realidade me veio como uma lança no peito, ela chegou sem perguntar se eu a queria ou não. Ela simplesmente chegou e ali permaneceu.

De uma hora pra outra eu percebi que casais felizes constroem essa felicidade diariamente e isso não quer dizer que eles já acordam sorrindo e muito menos que permanecem felizes durante o dia todo e assim vão dormir. Casais felizes são aqueles que lutam juntos para darem certo, que se abnegam, por vezes, para construir essa tal felicidade que para os inocentes de plantão parece ter vindo pronta.

De uma hora pra outra eu percebi que nem sempre as pessoas vão me cumprimentar com um largo sorriso no rosto, os dias bons e ruins existem e nem sempre a vontade das pessoas é a de sorrir logo de manhã. Isso é um direito delas e estou tendo que aceitar. É difícil, mas estou quase lá.

De repente percebi que aquele fast-food, meu antigo parque de diversões, na verdade representa uma dura realidade de trabalho sendo exercido por aqueles que estão por trás dos caixas. Meu antigo parque de diversões escondia a realidade de quem lutava para se sustentar.

De uma hora pra outra eu vi que meus amigos precisam construir as suas vidas e que isso, na maioria das vezes, exige o nosso afastamento. Cada um tem seus objetivos e eles podem diferir dos nossos e é aí que ocorre a separação. Triste e real...

De uma hora pra outra percebi que lutar pela união sozinho é totalmente contrário ao verdadeiro sentido da união e que lutar assim não vale a pena pra mim. Então parei de lutar. Cansei de querer todo mundo junto sempre, às vezes não é possível e às vezes só eu quero isso. Deixei pra lá...

Aceitar a realidade como ela é foi um desafio. Crescemos construindo sonhos e idealizando uma vida que não existe, a realidade é bem mais cruel que isso, que pena, e coitado de quem ainda não aceitou. Aceitar a realidade é preciso, a vida se torna mais leve do que ela é e a realidade deixa de ser tão cruel quanto parece. Ainda estou aceitando-a, de vez em quando luto com ela, mas ela sempre vence e eu em minha pequenez assumo a sua grandiosidade e a sua força em minha vida.

Comentários

  1. Belíssimas palavras Caroline!
    Muitos de fato sentem o que descreve, mas nem sempre sabem como expressar. E realmente a realidade não é como idealizamos, porém devemos sempre fazer nossa parte, sabendo que nem sempre as coisas serão como antes.
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo reconhecimento Deise! Sempre procuro isso nos meus textos e que bom que reconheceu. Com certeza, não é como idealizamos, mas temos que seguir em frente. Volte sempre :)
      Beijocas

      Excluir
  2. Que lindo texto Ca, cada vez melhor e cada vez gosto mais ainda deles! É super verdade, as vezes a gente chega a ser egoísta, queremos que as pessoas a nossa volta nunca nos larguem e esquecemos que elas também tem planos e sonhos que 90% das vezez vão ser diferentes dos nossos. Super beijo. www.pensapequena.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Manu, ah que maravilha *-* siiim, a vida nos afasta das pessoas mas isso não quer dizer que não as amamos mais ou que elas deixaram de nos amar, é a realidade se mostrando apenas. Beijocas

      Excluir
  3. Verdade,a realidade por sua vez consegue ser devastadora na vida dos inocentes de mais,quando mais rápida aceita-la melhor.Porém existe também aqueles que admiro muito,aqueles que lutam contra a sua realidade e tentam contorna-la,e difícil mais não é impossível.
    Amei o texto *-*
    Bjnhs

    http://karoline-o-meu-melhor.blogspot.com.br/2015/08/onde-estara.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, digo realidade no sentido de a vida não ser um conto de fadas, mas isso não quer dizer que ela seja horrível de ser vivida. Dar a volta por cima vale sim, não vale ficar lutando contra a realidade achando que ela um dia vai ser um conto de fadas sem dificuldade nenhuma né?
      Muito obrigada *-*
      Beijocas

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…