Pular para o conteúdo principal

Em 2016 eu assisti... O primeiro amor - RESENHA

Quem nunca teve aquelas paixões inocentes e até platônicas durante a infância? Paixões daquelas que temos vergonha de contar para os nossos amigos e até para a nossa família?

O que aconteceu com essa paixão? Virou amor ou só ficou no passado como uma simples lembrança? Eram "coisas de criança" ou era o amor querendo nascer? No caso de Juli Baker, essa paixão realmente virou um amor e até platônico e a acompanhou durante anos, até mais do que ela esperava...

Tudo começo quando ela conheceu Bryce Loski. O primeiro olhar, a faísca do primeiro sentimento, e pena que só para um dos lados. Juli já era moradora do bairro quando Bryce veio fazer parte da vizinhança. Ela foi ajudá-lo na mudança, mas desde lá o que ela recebera era apenas repulsa por parte de Bryce. A família dele, bastante conservadora por causa de seu pai, mantinha distância dos vizinhos e consequentemente ele de Juli. Isso só fazia aumentar o que ela sentia por ele, afinal, nada como um desafio para aumentar ainda mais a paixão.

As aulas iniciaram e os dois acabaram por estudar na mesma sala. Para ela era mais uma chance de conquistá-lo já que agora ele estava mais próximo. Mas ele estava decidido e não voltaria atrás, não daria chance alguma para Juli Baker.

E assim foi durante anos...
Uma paixão que nasceu durante a infância de Juli e a acompanhou por toda a adolescência.

Chegando próximo ao fim da adolescência alguns acontecimentos na vida de Juli a fizeram amadurecer e ver a vida de outra forma. Um deles foi o derrubamento de uma árvore próxima a sua casa onde ela subia diariamente e fazia dela uma espécie de refúgio para os seus problemas. No dia do derrubamento Bryce não se comoveu com Juli e a deixou lá, em cima da árvore, sozinha.

Sua amada árvore foi derrubada e Bryce Loski simplesmente não fez nada para mudar isso ou consolá-la. A partir daí ela começou a mudar e  perceber que o amor não podia existir em apenas um dos lados. Agora Juli Baker estava certa de que o amor foi criado para ser recíproco e no caso dela não estava sendo. Algo precisava mudar. E esse algo foi... ela mesma.

A partir dali Juli resolveu esquecer Bryce, mas o que ela não esperava é que dessa vez quem havia se apaixonado era ele. O dia do derrubamento da árvore mostrara como Juli era uma garota guerreira, por quem valia a pena lutar. Agora o jogo havia sido revertido, da forma que Juli tanto sonhara, da forma que ela mesma resolvera deixar no passado. Quem sofreu durante tanto tempo amadureceu e quem não sofrera por nada estava prestes a iniciar a mesma batalha. E assim foi. Bryce vivia procurando por Juli que agora estava mais decidida do que nunca. Ele agora percebera que ela fazia sim a diferença em sua vida e queria mudar tal situação.

E agora, o que seria dos dois? Uma história de amor fadada ao fracasso ou submetida a um grande recomeço?
Fonte da imagem
A história se desenrola sobre esse enredo. O primeiro amor é um filme calmo que promete certas doses de melancolia por parte de Juli. Além disso, traz lições de vida, como a de aproveitar o amor quando ele está bem ali a sua frente. O filme O primeiro amor se encerra de uma forma tranquila e com aquele gosto de "ah, que pena que acabou, achei que teria mais emoções". A história toda não possui grandes emoções, ela traz a verdadeira tranquilidade que o amor traz consigo. É uma ótima opção para os adeptos ao amor a moda antiga, ou para os adeptos ao amor a moda futura também rs, afinal, o amor é e sempre será o mesmo em qualquer época.

E aí gostaram da resenha do filme? Espero que sim *-*
Beijocas e Paçocas e até a próxima :*

Comentários

  1. EU AMO ESSE FILME COM TODAS AS MINHAS FORÇAS, É MUITO FOFINHO!
    Mesmo que eu fique toda chorosa no final e mesmo que eu deseje muito uma segunda parte, ele por si só já é maravilhoso!

    irianneveloso.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, como eu disse na resenha eu o achei um pouco calmo demais rs, queria mais adrenalina kkkk beijocas e paçocas :*

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…