Pular para o conteúdo principal

Ser adulto dói, mas pode ser maravilhoso

Eu sinto saudade de quando tudo era mais fácil. Continua sendo, quem anda complicando sou eu. Talvez essa seja a coisa ruim da tal "vida de adulto". Pensar demais. Penso, logo existo, penso demais, logo deixo de existir. Sinto saudades de quando a ação era mais frequente do que o pensamento nas reações. Sei que é difícil desapegar desse novo padrão, mas acredito que pensar um pouco menos seja mais benéfico.
Fonte da imagem
Eu sabia que virar adulto não era algo mirabolante e senti isso na pele. A porcentagem de coisas boas é muito maior, por vezes inúmera: aumento da auto confiança, ganho da liberdade de ir e vir, que até a adolescência ainda era um pouco limitada, entre outros. Mas o lado ruim também está aí: o aumento da responsabilidade, se eu faço, eu assumo e pago pelo que fiz. Logo, se vou fazer, devo pensar um pouco mais antes, não é mesmo?

É sim. E é assim que a maturidade vem ganhando força, quando menos se espera você já está lá pesando os prós e os contras de ir por aqui ou por ali. Tem vezes que, cá entre nós, enche o saco ser adulto, mas por outras vezes, o que se enche é o orgulho da gente. Orgulho por fazer somente aquilo que condiz com o que somos de verdade. Orgulho por sermos nós mesmos. Isso, essa é a maior vantagem dessa fase: sermos nós mesmos e não um rótulo que fizeram de nós. Sermos o que sempre quisemos ser.

Pensando bem, tenho um pouco de saudosismo em minha personalidade, não nego. Acredito que não seja a única. É muito bom lembrar de como éramos e como somos, dá pra ver a diferença, a mudança é para melhor. Dá pra ver nós em nós mesmos.

Ser adulto é fácil o difícil é se tornar um.

O processo dói, mas o resultado é maravilhoso. Dói amadurecer, dói nos aceitar como somos, dói pagar pelo que fizemos, dói assumir quando erramos. Maaas, é maravilhoso, ser maduro, amar-nos por inteiro do jeitinho que nascemos, ponderar melhor nossas decisões e ver que agora sim são as melhores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obrigada Depressão!

Obrigada depressão por me ensinar aquilo que nenhum ensino fundamental, ensino médio ou  a faculdade me ensinou. Obrigada depressão, por me mostrar quem é de verdade e quem realmente me ajudou. Obrigada depressão, por me mostrar como o mundo ainda pode ser lindo em meio a tantos motivos para chorar e se amargurar. Obrigada depressão por me mostrar para que veio e por quem vale realmente a pena se importar. Obrigada depressão por fazer-me tanto me amar. Eu te agradeço, e não e pouco não.
Eu te agradeço por fazer-me resgatar. Agradeço por fazer-me resgatar aquela que sempre fui, mas ainda melhor e mais cheia para brilhar. Eu te agradeço por me fazer resgatar tudo aquilo que me faz mais plena e escrever é apenas mais um item dessa lista. Eu te agradeço por me mostrar o verdadeiro valor de um olhar, o valor de um olhar que está lá, apenas me esperando para ajudar. Em meio a tanta dor eu confesso que não quis te aceitar, mas hoje em dia eu vejo que o melhor que fiz foi te deixar entrar.
O…

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Penso, logo sonho...

Eu sonho com aquilo que é possível, mas sonho com aquilo que parece impossível também. É que o impossível e o "jamais feito" muito me atraem. Não me levem a mal, mas é que o mundo já me enche tanto daquilo que é igual, daquilo que é rotina, que sonhar com a impossibilidade me faz transcender. Se depender de mim já sabe, eu não vou parar enquanto não ver o impossível acontecer. Vou mover mundos e fundos, mas nunca vou pensar em desistir ou achar que não sou capaz, porque desistir pra mim já é um verbo que nem gosto de pronunciar e na incapacidade eu definitivamente não acredito.

O engraçado é que sempre fui assim, sonhadora, e ai de quem tenta tirar isso de mim. Não pode! Tirar os sonhos do meu coração é como matar a minha alma com tantos "não". Por que não posso criar tal coisa? Porque não. Por que o mundo não pode ser diferente? Porque ele é assim, oras... Como assim? Tudo bem que mudar tudo pareça tão utópico, eu entendo, mas pelo menos uma parte dá pra tentar va…