Pular para o conteúdo principal

O que há de bom em Êta Mundo Bom!

Ai, como as novelas de época me fazem suspirar e viajar em meus pensamentos. Fico pensando em como seria a vida se estivéssemos na época em que se passa "Êta Mundo Bom".

Essa novela se passa nos anos de 40 e 50 mais ou menos e o nome dela faz jus ao que penso sobre aquele tempo. Penso que Êta Mundo Bom remete ao quão simples e bom, realmente, era viver em tempos como aquele. Nem televisão existia! As formas de divertimento iam desde uma conversa ao fim da tarde em torno da mesa da cozinha até encontros casuais em torno das pracinhas. E o amor? Ah, ele era tão puro e singelo e era demonstrado no olhar e declarado por cartas ou pessoalmente.

Não posso esquecer também das roupas que as mulheres usavam, tão lindas e elegantes! Os cabelos sempre arrumados com algum penteado. Os carros de época também eram um luxo só, bonitos de ver!

A tecnologia estava um pouco perto de começar a aparecer com o surgimento da televisão nos anos 50, mas estava um pouco longe de dominar todas as formas de relacionar-se com o outro e é isso que eu acho o máximo! O importante daquela época era o contato visual, a conversa franca, os momentos com a família e os amigos, as coisas que realmente nos preenchem por inteiro. A família também é muito mostrada na novela, por mais diferentes que fossem os filhos, dos pais ou dos tios, todos sempre se uniam na hora do jantar ou do café da manhã para rirem ou até mesmo brigarem.

Sempre digo que nasci na época errada, mesmo com a idade que tenho valorizo muito as coisas simples e penso que todos deveriam ser assim. Se todo mundo valorizasse as coisas simples, desde a família até as verdadeiras amizades tudo seria mais colorido e mais fácil de lidar, mas nem todos são como eu não é mesmo? Êta Mundo Bom veio novamente para acender essa admiração que tanto tenho por essas épocas que passaram, épocas de amor verdadeiro, de conquista, de conversa, de cuidados, de união.
Época boa, época de Êta Mundo Bom!
Fonte da imagem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Hoje é tempo de regar

Hoje é tempo de regar. Hoje é tempo de cultivar aquilo que quero viver. Hoje é tempo de amar. Hoje é tempo de fazer o que eu ainda não fiz e manter aquilo que de bom já fiz. Hoje é tempo de agradecer mais em vez de reclamar. Hoje é tempo de escolher qual é o tipo de vida que eu quero viver. Hoje é tempo de ser quem eu sempre quis ser. Hoje é tempo de agir. Hoje é tempo de pensar, mas é tempo de respirar também. Hoje é tempo de relaxar, apenas trabalhar também não dá. Porque um dia, ah, um dia, todos iremos colher...

Hoje é tempo de investir. Hoje é tempo de brilhar. Hoje é tempo de reavaliar. Hoje é o tempo perfeito para olhar mais para o meu jardim. Hoje é tempo de escolher as sementes que quero plantar. Hoje é tempo de me conhecer. Hoje é o dia perfeito para regar em vez, novamente, de reclamar. Hoje é tempo de olhar com mais carinho para aqueles que quero por perto. Hoje é tempo de perdoar. Hoje é tempo de pedir perdão. Hoje é tempo de se priorizar. Hoje é tempo de plantar. Hoje é…

Carta ao meu antigo eu sobre o que é o amor...

Estive olhando algumas postagens antigas nas quais eu me perguntava e me questionava acerca de tudo e todos. Sempre fui assim e essa me parece ser uma característica eterna minha, sou curiosa e até vejo isso como algo positivo, porque somente a curiosidade me levou às respostas que tanto procurei... E em um dos meus grandes questionamentos de quando era mais nova era "o que era o amor?". Como leiga no assunto, naquela época, eu não sabia definir nada, muito menos o que era o amor. Eu sentia, admirava certas coisas, mas amar, eu não sabia, em palavras o que era. E é possível ver essa curiosidade sobre esse assunto com certa imaturidade nesse postagem aqui.

Então, relembrando minhas postagens antigas, um tanto quanto imaturas, eu decidi responder esse questionamento ao meu "eu" antigo. Decidi falar, por meio de palavras escritas e com um pouco mais de experiência agora, o que é o amor e o que é amar. Talvez tenha alguma menina ou menino tão curiosos e jovens quanto e…