Pular para o conteúdo principal

Ser a gente mesmo pode não ser tarefa fácil, mas é coisa incrível, pode ter certeza!

Sabe, ser a gente mesmo não é fácil. Defender aquilo que somos, lutar por aquilo que acreditamos ou estar ao lado daquilo que mais queremos não é tarefa tão simples assim. Ser quem a gente é exige de nós uma boa dose de coragem e auto confiança, porque nem sempre estamos dispostos a discordar, por vezes temos até preguiça de ir contra quem está contra a gente. Mas esse é um bem necessário.

Defender com unhas e dentes aquilo que há de mais profundo em nosso ser deveria ser uma matéria mais do que obrigatória na escola da vida. Porque da felicidade ou infelicidade que sentimos só a gente sabe. E pelo que sei ainda não inventaram nenhum programa que permite trocar de coração com os outros para sentir, de fato, a emoção que o outro sente. Então, nada mais justo do que a própria pessoa decidir por aquilo que a faz sentir-se plena, por aquilo que só reforça a grandeza do seu verdadeiro eu.

O nosso verdadeiro eu está lá, sempre dentro de nós, gritando e pulsando para se libertar das coisas que o prendem, das coisas que o limitam. Nosso verdadeiro eu sempre está pronto para brilhar e somos nós, que nem sempre, escutamos seu apelo ou seu grito para saltar.
Fonte da imagem

Mas, eu estou aqui pra dizer que sim, você tem todo o direito e poder de ir por um caminho diferente do convencional. Sim, você pode criar a sua realidade. Sim, você é o(a) maior e único(a) responsável pela sua felicidade. Sim, ninguém melhor do que você para sentir o que sente e ser quem é. Sim, você! Você pode, você deve ser feliz, amar o seu trabalho, o seu curso e a sua própria vida e se isso não estiver acontecendo tem alguma coisa de errado, e pasmem, só você pode mudar isso. Só você pode fazer da sua realidade a coisa incrível que sempre quis viver e fazer parte. Só você pode ser quem você realmente é!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que deixei de me afogar e aprendi a nadar sozinha

Senti desespero. Me senti sozinha mesmo estando entre tantas pessoas. Eram pessoas que me amavam, eu sei disso. Cuidavam de mim. Eram meus amigos. Por que tanto medo? Por que tanto receio? Por que esse desespero? Eu não sei. Simplesmente sentia e vinha como um furacão, era apenas um pensamento e pronto: desespero, confusão e angústia tomavam conta de mim. Eu não entendia e ninguém entenderia. Como entenderiam algo que nem mesmo quem sente entende? Me sentia perdida e só. Me sentia confusa e incompreendida. Não me sentia eu e isso era péssimo. O que estava acontecendo? Por que sentir tudo aquilo?
Você estava ao meu lado, você sempre esteve. Obrigada. Conversei contigo, desabafei e tive vontade de chorar... E chorei. Precisava daquele momento. Estranho momento. Você me ouviu, assim como alguém que ouve atentamente ao recado de alguém para saber o que fazer depois. Você me ouviu, processou o que eu te dizia e logo percebeu quantas asneiras e peripécias a minha mente criara. Já não era eu…

Hoje é tempo de regar

Hoje é tempo de regar. Hoje é tempo de cultivar aquilo que quero viver. Hoje é tempo de amar. Hoje é tempo de fazer o que eu ainda não fiz e manter aquilo que de bom já fiz. Hoje é tempo de agradecer mais em vez de reclamar. Hoje é tempo de escolher qual é o tipo de vida que eu quero viver. Hoje é tempo de ser quem eu sempre quis ser. Hoje é tempo de agir. Hoje é tempo de pensar, mas é tempo de respirar também. Hoje é tempo de relaxar, apenas trabalhar também não dá. Porque um dia, ah, um dia, todos iremos colher...

Hoje é tempo de investir. Hoje é tempo de brilhar. Hoje é tempo de reavaliar. Hoje é o tempo perfeito para olhar mais para o meu jardim. Hoje é tempo de escolher as sementes que quero plantar. Hoje é tempo de me conhecer. Hoje é o dia perfeito para regar em vez, novamente, de reclamar. Hoje é tempo de olhar com mais carinho para aqueles que quero por perto. Hoje é tempo de perdoar. Hoje é tempo de pedir perdão. Hoje é tempo de se priorizar. Hoje é tempo de plantar. Hoje é…

Carta ao meu antigo eu sobre o que é o amor...

Estive olhando algumas postagens antigas nas quais eu me perguntava e me questionava acerca de tudo e todos. Sempre fui assim e essa me parece ser uma característica eterna minha, sou curiosa e até vejo isso como algo positivo, porque somente a curiosidade me levou às respostas que tanto procurei... E em um dos meus grandes questionamentos de quando era mais nova era "o que era o amor?". Como leiga no assunto, naquela época, eu não sabia definir nada, muito menos o que era o amor. Eu sentia, admirava certas coisas, mas amar, eu não sabia, em palavras o que era. E é possível ver essa curiosidade sobre esse assunto com certa imaturidade nesse postagem aqui.

Então, relembrando minhas postagens antigas, um tanto quanto imaturas, eu decidi responder esse questionamento ao meu "eu" antigo. Decidi falar, por meio de palavras escritas e com um pouco mais de experiência agora, o que é o amor e o que é amar. Talvez tenha alguma menina ou menino tão curiosos e jovens quanto e…